Ensino a distância cresce no Brasil e facilita acesso à Educação Superior

Mudanças no perfil, na legislação, nas tecnologias e no contexto mundial ajudam a entender o crescimento e o impacto do ensino a distância no país.

Fonte da Imagem: Revista Exame

O relatório do Censo da Educação Superior, publicado pelo Inep em 2018, mostrou: o número de cursos EAD cresceu 50% em relação a 2017 e as vagas de educação a distância superaram as de cursos presenciais pela primeira vez desde 2008. Ao todo, foram registradas 7,1 milhões de vagas e 3.177 cursos nesta modalidade. Mas, afinal, o que está por trás desse panorama de crescimento? Dados da última edição da pesquisa TIC Domicílios, lançada em agosto de 2019, apontam que 70% da população faz uso da internet no país. Tendo em vista este cenário, o ensino a distância (EAD) passa a se tornar uma opção viável para muitos estudantes que buscam uma modalidade flexível, dinâmica e acessível financeiramente. Apesar dos mitos que envolvem a educação a distância ainda contribuírem para a ideia de que a qualidade desta modalidade é inferior a presencial, uma instituição que pretende oferecer vagas e cursos EAD precisa cumprir com uma série de pré-requisitos, regulamentados pelo Ministério de Educação (MEC), como investir e garantir tecnologia adequada, ter educadores qualificados e ferramentas interativas.

Faça parte de uma das maiores universidades do mundo, saiba mais...

“À medida que as tecnologias são usadas para montar uma estrutura de ensino que se adapta as rotinas de trabalho e ainda reduza os custos de infraestrutura predial, isso permite que um maior número de pessoas possa encaixar o ensino a distância dentro da sua realidade e acessar a Educação Superior”, afirma o professor Jair dos Santos, conselheiro da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED). Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável foram estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a construção de um mundo mais consciente. O 4º ODS tem como prioridade assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade. O Objetivo segmenta-se em várias metas para alcançar o propósito determinado. A terceira delas (4.3),parte no sentido de assegurar, até 2030,a igualdade de acesso para todos os homens e mulheres à educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis. Dessa forma, o panorama traçado sobre o EAD no Brasil é uma forma de medir os avanços do país no cumprimento deste objetivo. Mudanças legislativas e comportamentais Segundo estudos do Prof. Jair dos Santos, o número de vagas e ofertas de cursos EAD tende a crescer exponencialmente nos próximos relatórios, referentes aos anos de 2019 e 2020. Ele explica que isso se deve às mudanças legislativas recentes, que ainda não foram computadas pelas análises. Desde 1995, quando o Ministério da Educação criou a Secretaria de Educação a Distância, o EAD evolui conforme as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) vão sendo aprimoradas. Em meados de 2006, esse crescimento começou a despontar e teve seu ápice a partir de 2017, quando houve a mudança do Marco Regulatório da Educação a Distância.

"O decreto incentivou a flexibilização da educação a distância, permitindo que as instituições de ensino menores pudessem ofertar cursos EAD”, afirma o conselheiro. “Antes do decreto, o processo para validar uma instituição de ensino era muito burocrático e custoso, além de não garantir a qualidade do ensino-aprendizagem"


FONTE: Fundação Telefônica

“Das 60 milhões de pessoas que concluíram a educação básica, 80% delas pode investir um total de 450 reais na mensalidade de uma instituição de Ensino Superior. Essa restrição de investimento fez com que a oferta de ensino a distância continuasse a crescer ao longo dos anos”, complementa Daniel Infante, sócio-diretor da empresa de consultoria educacional, Educa Insights.

Já o aumento do número de matrículas nos cursos EAD teve como pano de fundo uma mudança no perfil dos estudantes. Até 2016, a faixa etária predominante era de 30 anos ea preferência era, geralmente, por cursos de especialização. Com a redução da cobertura do FIES em 2014, as instituições de ensino a distância começaram a captar jovens na faixa de 18 a 20 anos, que buscavam por mensalidades mais acessíveis para graduação.


FONTE: Fundação Telefônica

Ensino a distância X Ensino Presencial O maior desafio do ensino a distância é o mesmo da educação presencial: Melhorar os índices de aprendizagem. Trazer um aprendizado mais significativo também é o grande objetivo dos educadores desta modalidade. Para isso, tanto Daniel Infante quanto o Prof. Jair dos Santos acreditam que apostar nas ferramentas que as plataformas oferecem podem ajudar na ressignificação do conteúdo. “O uso de metodologias ativas é um passo importante que diferencia as técnicas de aprendizado de um e outro. Existem maneiras e maneiras de você usar essas ferramentas a favor do modelo acadêmico considerado tradicional”, afirma Daniel Infante. “Tanto para quem está aprendendo, quanto para quem está ensinando, esse processo depende de uma adaptação às ferramentas”. O modelo de aprendizagem nas plataformas EAD, geralmente, conta com uma junção de recursos de vídeo, áudio, trechos de leitura, fóruns de debate, exercícios práticos e acompanhamento de um tutor, que não necessariamente é o mesmo educador que ministra as aulas. Dessa forma, é possível trabalhar mais conteúdos, de forma interdisciplinar. “Se formos analisar a questão do índice de aprendizagem, a diferença entre a modalidade presencial e à distância é muito pequena. Segundo o ENADE, o ensino presencial atingiu 45 pontos e o ensino à distância, 43. Os dois precisam melhorar”, alerta o professor Jair dos Santos. “No que diz respeito à metodologia, há distinção. Gravar vídeo aulas e usar plataformas não se configura como ensino a distância. Não basta apenas transpor os conteúdos de um meio para o outro, sem fazer uma adaptação na lógica metodológica”, ressalta o professor. Ensino em tempos de distanciamento social Com as medidas de distanciamento e isolamento social, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para conter a pandemia do coronavírus, as instituições de Ensino Básico e Superior tiveram de se reorganizar para dar continuidade ao conteúdo do ano letivo, mesmo sem a possibilidade de aulas presenciais. Para as instituições e iniciativas que já tinham tecnologia e prática no EAD, este momento se revelou uma oportunidade de trazer mais pessoas para conhecer o modelo e dar insumos para que as metodologias ativas sejam implementadas neste contexto. É o caso da plataforma de formação a distância, Escolas Conectadas. A iniciativa, que faz parte do ProFuturo, programa global de educação da Fundação Telefônica Vivo e da Fundação “la Caixa”, oferece cursos gratuitos por meio de sua plataforma, certificados por instituições de ensino superior reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC). O objetivo é inserir os educadores na cultura digital e estimular o desenvolvimento de competências e habilidades do século XXI no processo de ensino-aprendizagem. Já para a Educação Básica, o desafio é maior. Ainda que os educadores tenham alguma experiência com tecnologia na escola, buscar novas metodologias e plataformas para garantir a formação adequada dos estudantes exige estudo e adaptação. Cada estado ficou encarregado de encontrar a melhor solução para suas redes e municípios. Mesmo com as barreiras, já existem projetos em andamento que ajudam a inspirar boas práticas ao redor do país. Na opinião de Daniel Infante, esse processo pode trazer muitos caminhos e oportunidades para o ensino a distância, sobretudo no que diz respeito à qualidade. “Naturalmente quem apostar nesse processo de aceitação das tecnologias, vai sair na frente das instituições que não o fizeram. A solução mais viável para o prejuízo do processo de aprendizagem diante da necessidade de isolamento social, é justamente esta migração para o formato a distância do conteúdo programático presencial”. FONTE: Fundação Telefônica ENSINO a distância cresce no Brasil e facilita acesso à Educação Superior. Fundação Telefônica. São Paulo, 09 de abr. de 2020. Disponível em:<>. Acesso em: 16 de abr. de 2020. #unip #unipourinhos #ensinosuperior #graduação #pósgraduação #educaçãoadistância #ead

12 visualizações

(14) 99890-7000

©2019 por UNIP Ourinhos-SP. Orgulhosamente criado pela LV-SVO