Comércio Exterior

O profissional de Comércio Exterior domina as técnicas e os métodos de compra e venda de produtos e serviços entre empresas e governos de diferentes países.


Comércio Exterior é na UNIP Ourinhos

O profissional de Comércio Exterior lida com a compra e a venda de produtos e serviços entre empresas e governos de diferentes países. Ele acompanha os acontecimentos internacionais, tanto econômicos quanto políticos, e eventuais conflitos diplomáticos, para caracterizar mercados consumidores ou empresas fornecedoras. Também se mantém informado sobre as tendências de consumo em diferentes partes do globo.


Curse Comércio Exterior em uma das maiores universidades do mundo, saiba mais...


Ele identifica as necessidades de seus clientes e fornecedores, descobre oportunidades de compra ou venda, elabora estratégias de negócio e marketing e define a logística, como frete e estocagem dos produtos importados ou exportados. Seu campo de trabalho inclui empresas importadoras ou de logística, companhias privadas dos mais diversos setores, que fazem importação e exportação, instituições financeiras, agências governamentais de desenvolvimento econômico, operadoras de câmbio e de seguro.


LÉ preciso entender da legislação relativa à importação e exportação de bens e serviços, conhecer os tratados comerciais entre o Brasil e outros países. Como o profissional lida com contratos e negociações internacionais, é imprescindível falar outros idiomas, principalmente inglês e espanhol, inclusive termos técnicos referentes a leis. É possível ingressar na carreira com um curso tecnológico.


Pode haver uma confusão entre essa profissão e Relações Internacionais, mas é importante pontuar suas diferenças: enquanto a primeira se dedica aos aspectos mais sociais e políticos, o profissional de Comércio Exterior se dedica mais aos números, como as cotações, e também em tudo que gira em torno de negociações e contratos.


FIQUE DE OLHO

CURSO UNE LÍNGUAS E NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS

A graduação em Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais (Leani), oferecida por Cefet-RJ, Uesc (BA) e UFPB, forma profissionais que podem transitar não só pela área de Comércio Exterior, mas também por Línguas Estrangeiras, Administração, Relações Internacionais, Turismo e Eventos.


O QUE VOCÊ PODE FAZER

  • Agenciamento de carga: contratar frete e seguro internacional e acompanhar embarque e desembarque de mercadorias em portos e aeroportos.

  • Contratos: servir de intermediário para o fechamento de contratos de compra e venda com empresas estrangeiras, de acordo com a legislação vigente.

  • Consultoria: assessorar empresas de médio e pequeno porte que já lidem com importações e exportações ou que desejem iniciar negociações internacionais.

  • Cotação: fazer cotação de moedas internacionais e de produtos.

  • Gestão: coordenar as operações de uma empresa ou de um setor de importação e exportação.

  • Logística: determinar a forma de transporte dos produtos entre o país vendedor e o comprador, analisando o custo e o tempo de entrega. Contratar frete de conexão com portos e aeroportos. Providenciar armazenamento para os períodos em que a carga precisar ficar parada. Providenciar a documentação necessária para que a mercadoria possa viajar.

  • Marketing internacional: fazer a análise de mercado e adaptar as mercadorias para a cultura local onde o produto será comercializado.

  • Prospecção: trabalhar na área de pesquisa de mercados internacionais, traçando metas e estratégias para grandes empresas que buscam expandir os seus negócios, estar sempre de olho em oportunidades.


MERCADO DE TRABALHO

A legislação e os trâmites aduaneiros do Brasil estão entre os mais complicados e burocráticos do mundo. Esse fato já basta para que este bacharel tenha sempre campo de trabalho. Além disso, as empresas continuam exportando e importando produtos manufaturados e insumos de outros países.


O recém-formado no bacharelado costuma iniciar a carreira na área comercial, negociando preço, prazo e forma de pagamento e entrega. Ele é procurado por firmas exportadoras para negociar com os compradores estrangeiros, ou por importadoras para comprar no exterior insumos e produtos acabados sob condições mais vantajosas.


É comum também que ele se inicie em uma área mais voltada aos trâmites legais, que demandam pesquisa de leis aduaneiras e suas brechas. Aqui, é preciso muita atenção aos detalhes e estudo constante. Áreas mais táticas que lidem com gestão de processos e contato com clientes internacionais demandam mais tempo de carreira.


Já o tecnólogo é requisitado para trabalhar em áreas operacionais, como no despacho aduaneiro ou na cotação de câmbio. As áreas de logística, legislação aduaneira, prática cambial, importação, marketing e negociação internacional são as que mais demandam profissionais.


Além de atuar em empresas privadas, é possível trabalhar, também, em agências e organismos internacionais e oferecer assessoria e consultoria a empresas de pequeno e médio porte. Há também uma série de oportunidades em órgãos públicos, mediante concurso.


O salário inicial do profissional técnico é, em média, R$ 1.993 segundo o site Vagas.com. Vagas de analista ficam em torno de R$ 2.089, segundo o site Trabalha Brasil.


FONTE: Guia do Estudante

COMÉRCIO Exterior. Guia do Estudante. São Paulo, 30 de jun. de 2020. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/comercio-exterior/>. Acesso em: 11 de jan. de 2020.


#unip #unipourinhos #ensinosuperior #educaçãoadistância #ead #digital #graduação #comércioexterior